Direito Penal Venezuelano

Conceito de direito penal

O direito penal venezuelano é o ramo da lei que estabelece e regula a punição de crimes e crimes. crimes, através da imposição de certas sanções a quem as cometer (como prisão na prisão, por exemplo) e restrição de certos direitos do acusado; Também podemos dizer que se refere ao corpo jurídico para punir condutas puníveis. O dever de poder do Estado de proibir a conduta que prejudica os ativos sociais legais, é o que se chama ius puniendi, é uma expressão latina usada para se referir ao poder sancionador do Estado. Traduz literalmente como o direito de punir ou de sancionar. A expressão é sempre usada em referência ao Estado perante os cidadãos.

Se você, um familiar ou conhecido, estiver detido por um crime, podemos ajudá-lo.

O crime é o ato ou omissão que sanciona as leis criminais; é um ato humano tipicamente ilegal.
Direito penal venezuelano

Existe uma classificação bastante ampla dos diferentes tipos de crime.

Existe crime fraudulento por exemplo, quem se compromete com consciência, ou seja, o autor queria fazer o que fazia. Nesse sentido, é contrário ao crime culpado, onde a falha ocorre por não cumprir ou respeitar a obrigação de cuidar, tendo seus elementos que os caracterizam como são: Ação, Tipicidade, Ilegalidade, Imputabilidade e Culpa, são componentes e características, não independentes, que constituem o conceito de crime de acordo com os tipos de sujeitos que o executam (passivo ou ativo), ação ou ato, omissão ou conduta, tipicidade, ilegalidade, imputabilidade, culpa e punibilidade.

No entanto, embora exista um certo acordo em relação a essa definição, nem todos atribuem o mesmo conteúdo a ela. Para que haja culpa, as seguintes premissas ou elementos de culpa devem ser apresentados: Imputabilidade, contravenção ou culpa (formas de culpa) e, A aplicabilidade da conduta apropriada à proibição ou imperatividade da regra.

Todo crime é considerado um ato punível, uma vez que é contrário a um sistema legal que o regula; na Venezuela, eles são considerados no fato de que ninguém pode ser punido por um fato que não foi expressamente previsto como punível por lei, nem com penas que Ela não teria estabelecido anteriormente. Os fatos puníveis são divididos em crimes e ofensas. Eles estão sujeitos a processo na Venezuela e serão punidos de acordo com a lei criminal venezuelana.

A diferença entre crime e falta.

Faremos um tour por vários critérios antes de defini-lo no Direito Penal Venezuelano, para que possamos ver como outros advogados os classificam. Primeiro, entre crimes e ofensas, existe uma distinção qualitativa, essencial, antológica e de natureza, que consiste em crimes que violam ou violam direitos subjetivos, enquanto os crimes violam o direito objetivo, sem ofender especificamente o direito subjetivo. alguns; Outra teoria diz que os crimes causam danos ou ferem ativos legais ou protegidos legalmente, enquanto as falhas não causam danos materiais e efetivos diretos a ativos ou interesses legalmente protegidos, mas apenas se limitam a criar um situação perigosa para esses ativos protegidos legalmente, estabelecendo que os crimes causam danos ou ferem ativos legais ou protegidos legalmente, enquanto as ofensas não causam danos materiais e efetivos diretos aos ativos ou interesses legalmente protegidos, mas apenas se limitam a criar um Situação perigosa para os ativos protegidos por lei.  O que é uma situação de perigo?? é a probabilidade de um determinado dano ser atualizado. Nesse critério de tipo qualitativo, no Código Penal, podemos encontrar, junto às ofensas a danos, crimes perigosos que são aqueles que, sem causar danos, criam situações de perigo para bens protegidos legalmente, como no crime de intoxicação por água, prevista no artigo 365 do Código Penal: a partir do momento em que uma pessoa envenena as águas, ele já cometeu um crime, mesmo que ninguém ingira a água que foi envenenada. O simples ato de envenenar significa que o agente cometeu o crime, pois com essa ação ele criou uma situação de perigo que consiste na probabilidade de que alguém beba água, se machuque ou morra.

Portanto, não é verdade que todos os crimes causem danos materiais e efetivos diretos a bens protegidos legalmente, pois esses crimes perigosos, que criam uma situação de perigo para bens ou interesses legalmente protegidos, estão previstos na lei.

Se afirmarmos que o sistema legal é primário, os atos que ofendem a ordem pública devem ser considerados crimes e, em nosso Código Penal, as ofensas contra a ordem pública são descritas no Terceiro Livro e, se a ordem pública era um bem jurídico secundário, todos os atos contrários à ordem pública, de acordo com os critérios deste autor, devem ser apresentados como falhas; e, no entanto, encontramos no Segundo Livro do mesmo Código crimes contra a ordem pública. Em nosso Código Penal, encontramos crimes e ofensas contra a ordem pública, o mesmo bem legal, que não pode ser primário e secundário. De acordo com esses critérios expressos, os crimes ofendem ativos legais primários; e falhas, ativos legais secundários. Mas, em nossa Lei Substancial Criminal, encontramos crimes, por um lado, e ofensas, por outro, mais um e outro ameaçam a ordem pública.

Dado que os critérios de distinção qualitativa entre crimes e ofensas falham antes de nossa classificação na Venezuela, muitos códigos criminais, incluindo o espanhol, adotam o critério de distinção mais modesto, que é o critério de distinção quantitativa, que aborda as espécies e valor da penalidade aplicável àqueles que cometerem uma infração específica. Na realidade, esse critério de distinção quantitativa entre crimes e ofensas é modesto, mais simples e seguro de estabelecer. Nosso código não atende a esse critério. Para que o critério da distinção quantitativa prospere, é necessário que, de acordo com o Código atual, todos os crimes tenham penalidades mais graves que as ofensas. Somente assim se pode afirmar que os crimes têm penalidades graves e os delitos têm penalidades menores. Mas basta encontrar uma única falha que acarreta uma penalidade mais séria do que um crime, para que nesse Código o critério quantitativo de distinção entre crimes e ofensas não prospere, porque não se pode mais dizer que todos os crimes têm penalidades mais sérias do que todos os crimes. as falhas

Na Venezuela, as diferenças existentes são puramente de colocação estrutural, de colocação no Código Penal: os crimes estão previstos no Segundo Livro e os delitos no Terceiro Livro. Isto em virtude de uma decisão livre do legislador. Esse critério de distinção não é científico, empírico, porque o lógico, o racional, é estabelecer a distinção quantitativa.

Importantes conseqüências legais derivam dessa distinção estrutural, que são apresentadas abaixo. A extradição é concedida apenas por crimes e nunca por falhas; A ofensa é punida, não apenas quando é cometida, mas também quando é tentada ou frustrada, desde que admita, por sua própria natureza, a tentativa e frustração. As falhas são punidas apenas quando são realmente consumidas. Por fim, no que se refere à ordem processual, para processar o sujeito ativo da grande maioria dos crimes, deve ser seguido o procedimento ordinário, para o qual o Tribunal Penal de Primeira Instância é competente; e, em elevação, o juiz criminal superior. Por outro lado, para processar o autor de uma falta, é necessário seguir um procedimento especial estabelecido nos artigos 413 e seguintes do Código de Processo Penal, no qual é competente o juiz da paróquia ou município, em primeira instância; e, em segundo lugar, o distrito ou departamento.

Dentro da classificação de Crimes na Venezuela, citaremos todos aqueles contemplados pelo código penal em suas reformas atuais.

Crimes de ação e omissão.

Os crimes de ação são cometidos fazendo algo que é implicitamente proibido pela Lei Penal e pelo código penal venezuelano. Nos crimes de ação, o resultado ilegal ocorre em virtude do comportamento positivo, de fazer algo, como matar uma pessoa. O crime de omissão é consumado quando o resultado ilícito ocorre como resultado de uma abstenção do sujeito ativo, ou seja, quando este falha em fazer algo previsto no direito penal, como o estabelecido no artigo 208 do Código Penal Venezuelano.

Nesse caso, o funcionário público incorre nesse crime de omissão quando, após adquirir, no exercício de suas funções, conhecimento de que foi cometido um crime que deva ser punido oficiosamente, deixar de denunciar à autoridade competente, que neste caso é a autoridade judicial.

Crimes simples, complexos e relacionados.

Crimes simples são aqueles que ofendem um único bem legal, ou seja: são crimes cuja ação viola um único direito ou bem legal, como o crime de homicídio, que destrói o bem legal da vida.

Crimes complexos são eles que atacam vários bens legais, ou seja: os crimes nos quais a ação respectiva ofende vários direitos ou bens legais, como a violação de uma mulher honesta, em que, em primeiro lugar, o bem jurídico da liberdade sexual, que é a capacidade da mulher de se render a quem ela escolher; e segundo, o bem legal da modéstia é atacado, da honestidade. Por outro lado, o estupro de uma prostituta é apenas um crime simples, porque ofende apenas a liberdade sexual, pois mantém o direito de decidir com quem fazer sexo; embora ele tenha renunciado, por sua condição de prostituta, ao bem legal da honestidade. Esses dois casos de estupro são punidos, mas uma pena maior será aplicada àqueles que violarem uma mulher honesta.

Crimes relacionados são aqueles que estão tão intimamente ligados que alguns são uma conseqüência dos outros. Por exemplo, o caso de uma pessoa que rouba e, depois de saber que um indivíduo testemunhou o evento, mata esse testemunho acidental, para impedir que ele o descubra. Sem dúvida, o roubo inicial e o homicídio perpetrado para encobrir o roubo são crimes relacionados.

Crimes instantâneos e permanentes

Crimes instantâneos são aqueles em que a ação termina ao mesmo tempo em que o crime é consumado. O crime de homicídio é instantâneo, pois a ação do executor termina com a vida do contribuinte ou da vítima. Em crimes permanentes, por outro lado, o processo executivo dura ao longo do tempo, ou seja, implica uma persistência da situação criminal à vontade do sujeito ativo. Seqüestro, por exemplo, é um crime permanente, porque o processo executivo dura enquanto a pessoa seqüestrada permanece privada de liberdade por decisão do seqüestrador.

 

A distinção entre crimes instantâneos e crimes permanentes É de importância prática no cálculo do período de prescrição da ação penal, uma vez que a referida ação é extinta, entre outras causas, pela prescrição. O prazo de prescrição para crimes instantâneos começa a correr a partir do momento em que o ato criminoso é cometido, enquanto, em crimes permanentes, o referido período decorre a partir do momento em que a execução do crime cessa. No homicídio, a partir do momento em que o contribuinte morre; no seqüestro, ele não é executado até que a pessoa sequestrada recupere sua liberdade.

Se você, um familiar ou conhecido, estiver detido por um crime, podemos ajudá-lo.

Crimes de ação pública e ação privada.

Os crimes de ação pública são aqueles em que a acusação do sujeito ativo é completamente independente da vontade da pessoa prejudicada. O sujeito ativo deve ser processado, mesmo que a parte prejudicada não demonstre vontade de fazê-lo. O homicídio, por exemplo, é um crime de ação pública, em todas as suas classes. Quando um homicídio é cometido, o Estado deve processar o sujeito ativo, com total desconsideração da vontade da pessoa lesada; neste caso, dos parentes da vítima.

 

Os crimes de ação privada são aqueles em que a acusação do sujeito ativo está subordinada à instância da parte prejudicada ou de seus representantes legais. Eles só podem ser processados por acusação, como acontece, por exemplo, com o crime de difamação. A parte prejudicada possui a propriedade e a disponibilidade da ação criminal; embora, para que o perdão da parte prejudicada produza efeitos legais, é necessária a aceitação do acusado. Às vezes, acontece que o crime de ação privada, quando executado sob certas circunstâncias, se torna crime de ação pública, assim como o crime de estupro quando cometido em um local público ou exposto à opinião pública.

Para saber se um crime é ação pública ou ação privada, basta consultar o Código Penal Venezuelano. Quando se trata de uma ação privada, a Lei declara expressamente que «a acusação não ocorrerá, exceto por acusação da parte prejudicada ou cujos direitos eles representam, ou de qualquer outra maneira que expresse a necessidade de a parte prejudicada poder processar o sujeito ativo.

Crimes intencionais ou intencionais, culpados e pré-intencionais.

Crimes intencionais (ou intencionais) são aqueles em que o resultado ilegal coincide com a intenção criminosa do agente, como no caso de homicídio doloso: um indivíduo quer matar outro e realmente o mata.

Crimes injustos são aqueles em que o agente não pretende cometer nenhum crime, mas o ato criminoso ocorre por imprudência, negligência, imprecisão em sua profissão, arte ou comércio, pelo agente ou porque ele sai observar os regulamentos, pedidos ou instruções. Por exemplo: A, que dirige um veículo a motor, imprime a uma velocidade mais rápida do que a autorizada pelo Regulamento da Lei de Trânsito Terrestre e, devido a essa velocidade excessiva, enrola uma pessoa que morre como resultado dos ferimentos recebidos. . A, ele não queria matar aquela pessoa, mas a matou por não cumprir as disposições do regulamento mencionado: ele então cometeu uma morte por negligência.

Crimes pré-intencionais também chamados de ultra-intencionais são aqueles em que o resultado ilegal excede a intenção criminosa do agente. Suponha, por exemplo. aquele A quer ferir B e, portanto, dá um soco no peito, o que faz com que B caia, que fraturou o crânio, atingiu a calçada e morreu. A não queria causar a morte de B, mas apenas feri-lo, mas ele o matou pelo motivo exposto. Consequentemente, ele incorreu em um crime de homicídio pré-intencional.

Outras classificações de acordo com o código penal venezuelano.

Crimes e materiais formais. Crimes formais são aqueles que são aperfeiçoados ou consumados com uma ação ou omissão simples, independentemente de ocorrer ou não o resultado ilegal perseguido pelo sujeito ou agente ativo. Um exemplo dessa classe de crimes é o da difamação, tipificado no artigo 444 do Código Penal da Venezuela nos seguintes termos: «Aquele que, comunicando-se com várias pessoas, reunidas ou separadas, imputou a um indivíduo um certo fato capaz de expô-lo a desprezo ou ódio público ou ofensivo à sua honra ou reputação, serão punidos com prisão por três a dezoito meses. Então, se A diz a duas ou mais pessoas, ao mesmo tempo, porque estão juntas ou uma pessoa de cada vez - que B é um ladrão porque roubou cem mil bolívares no banco em que trabalha, isso pode acontecer que as pessoas a quem A deu essas informações prestam crédito ao informante e, portanto, desprezam B, mas também é possível que eles não levem em conta o que ele disse e, portanto, a reputação e a honra dos difamados estão intactas no conceito desses. Nos dois casos, o crime foi cometido, foi aperfeiçoado; porque, como já foi afirmado, é suficiente, para esse fim, que o agente "se comunique com várias pessoas reunidas ou separadas, imputou a um indivíduo um certo fato capaz de expô-lo a desprezo ou ódio público, ou ofensivo à sua honra ou reputação, independentemente de o resultado perseguido ou não pelo agente ocorrer ou não.

Crimes materiais são aqueles que são confirmados apenas quando o resultado material ilegal perseguido é atualizado. O crime de homicídio, por exemplo, só é consumado quando ocorre a morte da pessoa contra a qual a atividade do agente foi direcionada. Antes que essa pessoa morra, mal se pode falar de tentativa de homicídio ou homicídio frustrado.

Crimes de danos e crimes de perigo. Ofensas por danos são aquelas que causam danos materiais em bens ou em interesses protegidos por lei.

Ofensas perigosas são aquelas que, sem causar danos materiais, criam uma situação perigosa, uma probabilidade e não apenas a possibilidade de dano. Devemos fazer a distinção entre as duas palavras anteriores, que não são sinônimos, a propósito. A probabilidade está mais próxima da atualização, da realização efetiva, do que da possibilidade. Exemplo: "É possível que a Venezuela ganhe em 2006 a possibilidade de ir à copa do mundo de futebol, mas isso não é provável". A probabilidade está mais próxima da realização: um fato é provável quando o número de possibilidades de sua ocorrência é maior que o número de possibilidades de sua não ocorrência. As ofensas de risco são classificadaspor sua vez, em crimes de perigo comum e crimes de perigo individual. Os primeiros são aqueles que colocam em risco um número indeterminado de pessoas, como o crime de envenenar as águas de uma nascente a que muitas pessoas têm acesso, porque nesse caso todas essas pessoas estão expostas a doenças físicas, por causa do efeito do veneno e até da morte. Os crimes de perigo individual são aqueles que colocam em risco uma pessoa individualizada, como é o crime de abandono de crianças: a pessoa que abandona uma criança comete um crime de perigo individual, como se ele apenas colocasse em risco a vida ou, Pelo menos, a saúde do pequeno abandonado.

Crimes Comuns e Crimes Especiais. Os crimes comuns por oposição aos especiais são aqueles tipificados no Código Penal, que é o direito penal fundamental, embora não seja o único.

Crimes especiais, por outro lado, são aqueles consagrados em leis penais especiais (em sentido próprio ou impróprio), tais como: o crime de contrabando, tipificado na Lei Aduaneira; os crimes relacionados ao cheque, tipificados no Código Comercial (Art. 494); o crime de usura, previsto no Decreto-Lei nº 247, de 1946.

Crimes flagrantes e crimes não flagrantes. Um crime é flagrante quando o agente que o cometeu acaba sendo processado pela autoridade ou pelo clamor público; ou quando ele é surpreendido enquanto o comete, ou logo após ele o cometer, no mesmo local de comissões ou perto dele. Dizem então que o agente foi pego em flagrante delicto, ou infraganti. E não é flagrante quando nenhuma das hipóteses declaradas acima é cumprida. Mais do que uma classificação, essa de flagrante e não flagrante, são etapas da consumação do crime. Mas essa distinção é importante do ponto de vista processual pelas seguintes razões:

Como regra geral, para que uma pessoa seja detida, é necessário que o juiz criminal competente tenha emitido um mandado de prisão contra ele, depois de cumprir os requisitos indicados no Código de Processo Penal. Mas, no entanto, quando o criminoso é flagrado em flagrante delito, qualquer autoridade deve e qualquer pessoa pode detê-lo, mesmo que não tenha recebido uma ordem de detenção.

Crimes individuais e coletivos. Ofensas individuais são aquelas que podem ser cometidas por um único indivíduo e atribuíveis. A possibilidade lógica e legal de que o crime possa ser cometido por uma única pessoa singular e atribuível é suficiente. No caso de um crime individual, como homicídio, estupro, roubo e a maioria dos crimes previstos na legislação criminal, que podem ser cometidos por uma única pessoa, sem que isso aconteça. é necessário o concurso de várias pessoas físicas imputáveis. No entanto, a circunstância de que, em um caso específico, um desses crimes individuais seja cometido por várias pessoas naturais e imputáveis, não diminui em nada seu caráter de crime individual. Por exemplo, um assalto pode ser cometido por várias pessoas naturais e imputáveis, mas essa circunstância não tira seu rótulo individual.

 

Crimes coletivos são aqueles que não podem ser perpetrados por uma única pessoa natural e imputável, mas devem necessariamente ser cometidos por duas ou mais pessoas naturais e imputáveis. É uma condição necessária e indispensável para a existência de um crime coletivo o concurso de autores ou agentes envolvidos em sua perpetração. Por exemplo: um crime de agachamento seria coletivo, no qual várias pessoas se reúnem para cometer crimes. A briga é outro crime coletivo, pois duas ou mais pessoas precisam participar, porque ninguém pode brigar consigo mesmo.

Crimes de sujeito ativo indiferente e sujeito ativo qualificado. Os crimes de um sujeito ativo indiferente são aqueles que podem ser cometidos de forma intercambiável por qualquer pessoa natural e imputável, sem exigir uma qualidade pessoal. São crimes de sujeito ativo indiferente: homicídio, roubo, entre outros.

 

Os crimes de sujeito ativo qualificado são aqueles que só podem ser cometidos por certas pessoas naturais e imputáveis, uma vez que assumem uma certa qualidade pessoal no sujeito ativo. Ou seja, a possibilidade de ser um sujeito ativo desses crimes é restrita a um grupo de pessoas e, portanto, nem todos podem cometer. Por exemplo, o crime de peculação, muito comum em nosso país, previsto no artigo 195 do Código Penal, só pode ser cometido por um funcionário público que, em virtude de seus deveres, seja responsável pela cobrança, custódia ou administração de fundos públicos. Pode-se dizer que o peculado é um crime de sujeito ativo duplamente qualificado; uma vez que não apenas o sujeito ativo dele deve ser um funcionário público, mas um funcionário público que, em razão de suas funções, é responsável pela cobrança, custódia ou administração de fundos públicos.

Crimes de sujeito passivo indiferente e sujeito passivo qualificado. As ofensas indiferentes dos contribuintes são aquelas que podem ser cometidas contra qualquer pessoa, como roubo, homicídio.

Os crimes de um contribuinte qualificado são aqueles que só podem ser cometidos contra uma determinada classe de pessoas que têm uma certa qualidade pessoal, que pode ser física, familiar, social, legal. como o próprio crime de sedução (sedução com promessa de casamento), previsto na primeira seção do artigo 379 do Código Penal, em que o contribuinte deve necessariamente ser uma mulher com mais de dezesseis anos e menos de vinte e um, com conhecimento de causa. honesto. Também é ofensa de um sujeito passivo qualificado, o honoris causa infanticídio que só pode ser cometido na pessoa de um recém-nascido, não registrado no Registro Civil dentro do prazo legal, que é de vinte dias a partir da data de nascimento, de acordo com: o disposto no artigo 464 do Código Civil.

 

Principais crimes e acessórios para crimes. Os principais crimes são crimes cujo conteúdo se manifesta independentemente de qualquer outra forma criminal: eles existem por si mesmos, ou seja, por sua existência legal, não precisam contar com a consumação prévia de outro crime. A maioria dos crimes estabelecidos no Código Penal Venezuelano são crimes graves.

Acessórios de crimesPor outro lado, são eles que exigem, como condição indispensável à sua existência, ter cometido outro crime anteriormente. Exemplos desse tipo de crime são encobrimentos, que não podem ser cometidos se o crime a ser encoberto não tiver sido cometido antes; e o uso de coisas provenientes de crimes, nos quais os agentes popularmente chamados de "endossantes" são aqueles que compram roubados, roubados ou de qualquer outra forma errada, o que significa que os indivíduos que vendem esses apoiadores objetos, foram roubados ou roubados antes.

Tipos e Crimes Circunstanciados. Os crimes típicos são aqueles apresentados em seu modelo legal básico e puro, que contém apenas os elementos essenciais do crime e nada mais. Por exemplo: o crime de homicídio intencional simples. É, pura e simplesmente, uma pessoa que matou intencionalmente outra.

Os crimes circunstanciais são aqueles em que a prática do ato criminoso é acompanhada de certas circunstâncias, além de possuir os elementos essenciais; e essas circunstâncias são aquelas que determinam a penalidade maior ou menor, conforme indicado por maior ou menor grau de perversidade. Tal seria, por exemplo, o crime de parricídio, que é o homicídio cometido pelo agente na pessoa de seu pai ou em algum outro ascendente, previsto na subseção A do ordinal 3º. do Art. 408 do Código Penal. (Não se trata de matar alguém, mas do pai do sujeito ativo, e essa é uma circunstância que agrava ou aumenta a pena.)

Às vezes, existem circunstâncias que causam a redução da penalidade, uma vez que mostram menos perigo; e, portanto, passam a significar um atenuador na aplicação da penalidade, como é o caso do infanticídio honoris causa, em que a circunstância perpetrada para salvar a honra da mãe da vítima e neste caso, uma penalidade é aplicada menos do que a indicada para homicídios intencionais simples.

 

Crimes de Fraude e Crimes de Violência. Os delitos de fraude são aqueles cometidos por meio de astúcia, engano. O exemplo clássico desse tipo de crime é o golpe (especialmente o conhecido na gíria popular como "o pacote chileno"), no qual a força nunca é usada, mas a decepção. O contribuinte entrega voluntariamente o dinheiro ou qualquer outra coisa, acreditando que ele está fazendo um bom negócio e é enganado pelo sujeito ativo. O crime de sedução com promessa de casamento é outro crime de fraude. O agente não força a mulher com mais de dezesseis e menos de 21 anos a ter um ato carnal com ele, mas a engana ao prometer seu casamento.

Os crimes de violência são aqueles que, como indica sua denominação, são perpetrados pela violência, pela força, como roubo, estupro.

Segundo os criminologistas, à medida que a civilização progride, o crime de violência diminui e a fraude aumenta. Essa afirmação é irônica e até sarcástica, porque aqui, hoje, eles estão aumentando; em maior proporção os violentos.

É importante não esquecer que essas classificações não são exclusivas, mas complementares. Portanto, os crimes devem ser estudados à luz de tais classificações. Se, por exemplo, o crime de roubo é cometido, ele deve ser analisado em relação a essas classificações para colocá-lo em cada uma das classes, à qual corresponde; Assim, vemos que o crime mencionado é instantâneo, de ação pública, malicioso, material, de dano, individual, principal, entre outros.

Também deve ser levado em consideração que os crimes não podem, de forma alguma, ser de todos os tipos mencionados na referida classificação. Se existe um deles que inclui crimes individuais e coletivos, e se deseja analisá-lo ou enquadrá-lo, por exemplo, o crime de roubo, não se pode dizer que esse crime é individual e coletivo, porque não pode ser enquadrado dentro dos dois casos. Por esse motivo, ou o crime analisado é individual ou coletivo. No caso de roubo, é um crime individual, porque pode ser praticado por uma única pessoa, embora com relativa frequência seja cometido por duas ou mais pessoas.

Você também pode estar interessado em artigos sobre Extradição entre Itália - Colômbia ou o artigo sobre extradição entre Itália - Cuba.

Ajudamos você em todo o México e Itália

Se você ou um membro da família estiver detido em território italiano ou mexicano, podemos ajudá-lo

contacte-nos

Envie sua pergunta preenchendo o formulário e responderemos o mais breve possível. Para emergências, entre em contato diretamente pelo WhatsApp ou ligue para o nosso número de telefone.

Diga-nos o que você pensa.
  • Alberto Cardoso Sanchez
5

O que dizem nossos leitores e clientes

Excelente artigo e resumo do Código Penal Venezuelano, obrigado por compartilhar essas informações.

Enviando
Revisão do Usuário
5 (1 voto)


pt_PTPortuguês
es_ESEspañol it_ITItaliano en_USEnglish fr_FRFrançais ru_RUРусский zh_CN简体中文 pt_PTPortuguês